sábado, Junho 9

As fadas moram em sonhos e em fantasia

Por isso ás vezes não conseguem materializar as acções. aquelas fuguras não cabem aqui, mas a fada , na sua ansia de aprender sobre o outro mundo, tentou e falhou......

A Dicioplédia das Fadas

O Meu Dicipionário


Este é o dicionário /enciclopédia das fadas….

A Fada na Lua decidiu fazer um para facilitar a relação entre as fadas e os outros, os que não habitam no mundo das fadas:


Letra A……
A de Amor, a mais importante das palavras.
A que define o sentimento profundo pelo objecto do nosso amor.
Amar é mais que gostar de alguém ou de alguma coisa. É o que sentimos pelos amigos, pelos filhos, pelos que escolhemos como a parte integrante da nossa vida, e que se situa no núcleo da nossa existência.
Pode-se amar ao longe, ao perto, tocando, não tocando.
É aos que amamos que contamos tudo, menos o que os possa fazer sofrer, é a esse objecto da nossa atenção que perguntamos se ainda está lá, quando nos sentimos perdidos.
È o que nos faz correr na sua direcção em qualquer momento, em qualquer hora, não importa o resto.
Amar é a liberdade de sentir o que nos apetece sentir, com a força toda que temos, sem barreiras obstáculos ou condições
É a porta aberta, abraçar o mundo num “chicoração” apertado, apertado que nos torna quase num só.

Amar é uma coisa sem definição objectiva, pois é um estado de espírito. É a aceitar o prazer incondicionalmente

Sub títulos de Amor
Amizade
È um amor mais leve. Sem paixão. Nos outros dicionários aparece uma diferença, mas está errado. Não existe, só existe o preconceito de que num amigo não se toca, e de que o amor só o é porque se toca nele, ou porque simplesmente também existe sexo.

Fazer Amor – é amar, com ou sem sexo. É fazer amigos, é conquistar o amor de alguém, é saber que a partir dali, amamos mais uma pessoa, entrou um tesouro para a nossa vida.

Praticamente amo tudo, mas principalmente o que é bonito, silencioso, delicioso, colorido. Bem, amo tudo o que me apaixona.

Almôndega. È aquela bolinha de carne, que me sabe tão bem num restaurante ou em casa de alguém, mas que comigo a cozinhar sai sempre rijo.

Alcofa – Um cestinho lindo de palhinha que serve para transportarmos muitas coisas, o que quisermos, com muito charme.

Altar – É um sitio, mais alto do que eu, onde costumo colocar as coisas que amo. Só para as admirar, só para não lhes chegar facilmente, assim, de qualquer maneira.

Almirante – É um gajo que anda sempre vestido da mesma maneira, e que ainda não percebi para que serve. Trabalha com barcos, mas não é pescador.


B

Barrete. Odeio. Alguns são giros mas para enfeitar uma parede.

B de beijo. È incrível a sensibilidade que temos na boca. Uma coisa que desvalorizamos tanto. E anda sempre á mostra!!!!!!! A parte que me parece a mais sensual do nosso corpo, mais que as mamas.

Bicho um bicho é uma coisa muita fofa, muita gira, muita interessante, irresistível.

Bicicleta Um dos maiores mistérios da vida. Parece simples e básica. Mas não é! Nunca consegui fazer amizade com nenhuma.

Batido Qualquer coisa depois de torturada. Pode ser agradável, se forem frutas, mas pode ser bastante frustrante se for o nosso carro. Se formos nós é doloroso. Se for o nosso amigo, dói mais ainda.

Beringela Adoro! È linda! É gostosa! É uma das frutas mais bonitas que conheço, a cor devia chamar-se cor de beringela. Devia acompanhar-nos em todas as refeições, é uma boa companhia.

Bimbo é um gajo, ou gaja, que não sabe estar no seu lugar. Que nem sabe onde está!
Que julga que está noutro sitio. E que toda a gente é como ele. Ou pior, que ninguém é tão bom como ele.

C

Carinho

Carro que não dê muito trabalho, que ande o suficiente, e não chova lá dentro. Dá muito jeito para levar coisas de um lado pró outro e chega-se num instante a qualquer lado. Há uns muito giros e outros não. Há pessoas que dão balúrdios por aquilo.

Cabeça Local onde guardamos um dos nossos maiores tesouros: o cérebro. Serve também para usar chapéus, fazer penteados com os pelos que o envolvem.

Cérebro O cérebro vai á frente? Vai! Sem dúvida. Vai á nossa frente e arrasta-nos atrás dele. E nós pensamos que somos nós, e isso traz-nos uma cascata de sensações, emoções, sentidos, percepções, etc.
É onde tá tudo o que não se vê. O passado, o presente e o material para o futuro.
Tem um aspecto horrível, como qualquer dos nossos outros órgãos, e afinal é lindo.


Careca é um gajo que normalmente não tem cabelo, pode ser temporariamente ou definitivo

Caracol é um bicho. Delicioso e bicho

Coração. Temos 2: um vive no cérebro, outro funciona como uma bomba relógio dentro do nosso peito, como um cronómetro. Tic, tic, tic, vai fazendo a contagem decrescente até ao dia da nossa morte.

Carta

Caminho


D

Dedicação
È paixão? Acho que sim, mas é uma paixão mais fraca, parece-me.

Deus
Ser mitológico, existente em todas as culturas e povos que assume diversas formas físicas, ou não.
As pessoas que não acreditam nelas próprias tem tendência a disfarçar com uma dedicação a um Deus qualquer.
Fácil deixar as responsabilidades todas para cima de um gajo que nem existe, não é?
Esta dedicação pode ser benéfica ou maligna, até. Dá para tudo. È como eu disse, uma boa desculpa para qualquer coisa.

Dúvida

Dar

E


F

Fada
Não sei bem o que é. Mas são muito bonitas e poderosas. Fortes mas suaves. Seguras e frágeis. Ficam bem em todo o lado. Devia haver mais. Conheço poucas.

Fado
È aquele tipo de música tradicional, que insistimos em nos orgulhar de existir na nossa cultura, e que nos obriga a parecermos um bando de lamechas atrasados. Tà bem, como figura de folclore, tudo bem, mas não exagerem. Já não somos fado.

Fim
Acho que não existe. Nunca vi nenhum.

G

H

I

J

L

Lua
È onde as fadas se sentam. Principalmente quando estão tristes e precisam de pensar
M

Mar
Água que nunca mais acaba.


N

O
Ódio
Mais ou menos o mesmo que amor, com Deus á mistura.


P

Q

R
Rio
È um bicho lindo. Tanto os grandes como os mais pequenos, são tão vivos, tão completos, tão eternos. Valem muito mais que nós, humanos.

S
Silencio
Paz. Conforto. Calma. Descanso. È tão bonito, tão colorido, o silencio. Cores suaves, relaxantes. Uma imensidão de espaço livre. Só é pena é ser muito caro.

T

U

V

X

Z

quarta-feira, Maio 30

começar

Vou começar por escrever alguma coisa sobre a minha vida, não vou (salvo algumas merecidas excepções) colocar poemas e fotos de mulheres em poses enigmáticas.
Não , se calhar até vou, depois logo se vê.

Todos os dias escrevia por aí, um dia disseram-me para fazer um "isto". Tentei e ainda não sei se consegui.

O dia de hoje foi igual aos outros, demasiado vazio. Quem já teve dias vazios sabe o mal que nos pode fazer.

Depois chegamos ao 35º dia , olhamos para trás e pensamos : que desperdicio!

Cheguei a ter uma vida demasiado preenchida. Também não é bom! Chegamos ao 35º dia olhamos para trás e pensamos : esqueci-me de tanta coisa!

Lá está! O equilibrio é que vale, a diversidade, etc.

Se passamos muito tempo da nossa vida presos a uma ideia de que estamos a fazer o melhor , e que os dias teem que ser assim mesmo, que tem que haver uma rotina muito certinha um ritual quase sagrado, ao 35º dia olhamos para trás e pensamos : não vivi

Estou aqui porque tenho que estar! Dizem alguns. Isso não é viver é fugir a viver!
Temos que estar onde queremos estar, não é? Onde nos sentimos bem! Onde nos sentimos unidos com os outros, não onde sentimos obrigações.

É mesmo dificil saber viver, e vamos experimentando tantas formulas que quando chega ao fim, só sabemos que temos mais dúvidas!

Eu sugeri a mim própria, agarra os momentos bons e conserva-os, e vai acumulando. No fim, posso não estar rica, mas tenho tudo o que me soube bem

sábado, Abril 14

O gnomo teve medo da fada e fugiu

O gnomo andou a espreitar a fada, mas teve medo e não apareceu!!!
As fadas são fortes!!
E os gnomos sabem disso....

quarta-feira, Março 21

E se falasses magia, sonho e fantasia
E se falasses encanto, quebranto e condão
Feitiço, transe, viagem, alucinação

segunda-feira, Março 19

Era uma vez uma fada.....


Era uma vez uma fada.
A fada vivia numa floresta de fadas, como todas as outras.
Já há poucas fadas, vêem-se pouco.
Esta fada vivia fascinada pela noite, pela lua, pelas estrelas pelo céu azul-escuro e estrelado.
Todas as noites se perguntava: o que existiria para além do céu escuro, e as estrelas estariam assim tão longe, e de que seriam feitas?
Uma noite, a fada decidiu ir ver até onde ia o céu. Subiu, subiu e nunca mais chegava ao fim.
Já cansada e cada vez com mais curiosidade sobre até onde chegaria e o que descobriria, sentou-se na lua e olhou para baixo.

E viu, lá de cima que havia outro mundo que não conhecia ainda, o mundo dos normais.

Curioso, pensou, tanto olho para cima para o infinito, que me esqueço de perceber o que está mais perto e não conheço.
Passou então, a sentar-se na lua e observar o mundo dos normais:
Tão triste, achou ela, não teem asas! Não voam! Parecem tristes. Teem rituais estranhos e parecem prisioneiros de um ser superior.
Todas as noites sentada na lua, observava, aprendia sobre os costumes dos normais.
A curiosidade dela aumentou e decidiu descer, num dia de sol, pois passaria despercebida, (as asas das fadas recolhem durante o dia).

Encontrou um normal, parecia amigável, perguntou-lhe: Sabes que sou uma fada?
Ele respondeu: Sei, costumo ver-te todas as noites sentada na lua.
A fada ficou surpreendida:
- Tu vês-me?
– Vejo, respondeu o normal. Vejo-te há muito tempo sempre sentada na lua. E desde que te vejo que te desejo, sempre quis ter uma fada!
- Não sabia que os normais sabiam da existência das fadas.
- Alguns sabem, poucos, é difícil reconhecer uma, mas eu percebi logo que eras uma fada. E desde aí que te desejo, que desejo que desças e venhas até mim.
A fada ficou surpreendida, afinal os normais não eram assim tão tristes. Até conseguiam ver as fadas! Porque levariam então aquela vida de normal? Sem sonho, sem amor, sem magia, sem um final feliz?
A fada, quis perceber e conhecer melhor o normal, porque não voava? Porque queria ter uma fada?
Percebeu logo que ele não sabia muito sobre fadas: As fadas não crescem, não pertencem, não são de ninguém, teem todos os dias e é sempre o primeiro, brincam felizes, e voam muito alto, não teem limites, e podem tudo o que querem, são muito felizes para sempre, são donas do sonho, e não servem para se ter em casa.
Todas as noites a fada passou a encontrar-se com normal, a tentar saber mais sobre como viviam, o eu comiam, porque não voavam.
Conversavam sobre tudo, sobre todos os seus mundos, sobre os seu sonhos, sobre as suas asas.
Afinal não havia assim tanta diferença entre um normal e uma fada.
Todas as noites a Fada saí da lua e ia encontrar-se com o normal para conversar.
O normal, era tão parecido com ela, afinal.
Continua…….

quinta-feira, Março 15

Sózinha....

É assim que eu agora me vejo.
Com uma mochila ás costas enorme e pesada ás costas
Cheia de vontade, e de amor.
Onde hei-de acampar? Tem que ser em local seguro. Sitio calmo, e agradável onde seja Primavera.
..E tem que ter uma arvora para me abrigar.
Nem preciso das flores só da erva verde e as pedras, as rochas sólidas e indestrutíveis.
Acampar sozinha dá este azedo, esta incerteza em que caminho a seguir a dúvida de onde me entregar.
E que insegurança cria!
E se for ali mais á frente? Haverá um local melhor?
Será este o caminho? Onde deixar a mochila?

Gostava de ter qualquer certeza, qualquer esperança.
Mas vejo tudo tão negro, sem uma única luz mesmo muito distante.
Se eu a visse essa luz mais segura ia a caminhar.

Assim, todas as noites acendo uma fogueira e vou-me queimar.

Vejo uma luz, a luz da beata de um cigarro a apagar, e a desta fogueira onde insisto em me queimar!

O que tenho cá dentro?

O coração, pulmões, o estômago e o cérebro
Este corpo é meu
Nem para ele me sei cuidar
Ainda funciona, mas a continuar assim vai deixar de funcionar.